Páginas

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

João Bosco





Chuva


Não mais o tempo
.....mas o tempo
......de te ouvir, no teto
...................no vidro
...................nos pés
......de te ver, pelo vidro
.................pela neblina
......de te sentir, roupa molhada
....................pele colada
Não mais o tempo
.....mas o temporal
.........a balançar
.........a buscar
...........fechar os olhos
...........doída saudade
...........Ah, que vontade
Não mais o tempo
.....mas a maldade
...........instante final
...........lágrima teimosa
.........O que importa?
...........Te amo, afinal
...........Igual a chuva
................és poesia
.................e prosa.


João Bosco

2 comentários:

Adina Bezerra disse...

A "CHUVA" de João Bosco molha a minha árida alma

Anônimo disse...

Ah, meu amigo, antes eram só quindins deixados na portaria e agora também tem o meu fenômeno natural preferido, a chuva.
Bosco, você é a própria sensibilidade em prosa e poesia ...
enorme abraço
Marialice